19.10.05

Lisboa

Hoje, o guineense Kimi Djabaté no B'Leza; dias 21 e 22 o quinteto argentino de Juan Esteban Cuacci com os fabulosos Nélida Miglione e Jorge Ramirez a dançar alguns dos tangos no Teatro Camões; a World Press Photo (ainda) no CCB, o DOCLisboa cheio de bons documentários a 1,5 euros... e eu a viver na província! :(

Aproveitem, seus lisboetas sortudos!

7 Comments:

At 10:45 PM, Blogger cbs said...

Flash resingona...

Se quiseres mando-te uns E-cards
:)

 
At 10:55 PM, Blogger E-clair said...

Eu mandei aproveitar!! É favor correr que o primeiro evento começa às 11h! Bem!!

 
At 10:25 AM, Blogger cbs said...

:)
Já lá tou...

 
At 11:48 PM, Blogger FORMIGA BARGANTE said...

Sugestões são ordens !
Os spam já estão "apagados".
Quanto ao docLisboa, não sei se é tanta sorte assim.

Depois de vêr hoje o "the 3 rooms of melancholia" sai com vontade de atirar bombas a tudo que se movesse.

felizmente não tinha bombas...

não por mim, mas por tudo aquilo que se movia !

 
At 4:05 PM, Blogger E-clair said...

Li agora o teu comentário, fb, depois de ter escrito o último post...!
Já agora, porquê essa vontade bombista?

 
At 1:02 PM, Blogger FORMIGA BARGANTE said...

Mil perdões, a ti e ao karma, pela resposta tardia.

O "3 rooms of melancholia" é um belíssimo filme de uma finlandesa Pirjo Honkassallo (nome a reter) que retrata o militarismo através das experiências das crianças russas e chechenas, tendo como pano de fundo o conflito da tchetchenia. Segundo palavras da própria realizadora,(publicadas numa entrevista ao Público da última sexta-feira, creio...) "começou a filmar as crianças russas e chechenas antes de se começarem a odiar...".
Verificar, por um lado, a preparação das mentalidades infantis para a obediência cega e para o ódio numa academia militar russa, e por outro os mesmos mecanismos aplicados de forma diferente pelas comunidades religiosas chechenas às crianças chechenas, é uma experiência terrivel para o espectador.
Mas a utilização das crianças russas e chechenas é uma "metáfora" para descrever o actual estado de manipulação das consciências, americanas, europeias, árabes, eu sei lá.
E se misturares a este cocktail o sofrimento tremendo da população de Grozny motivado pela ocupação russa, que eu vi através dos olhos da realizadora finlandesa, então, como dizia, só não sais da sala a atirar bombas porque AINDA não estão disponiveis no meio da rua, como outras "necessidades"...

Uma última reflexão:
Este país não tem cura.
O DocLisboa representa um grande investimento de pré-produção, realização e divulgação.
E em seguida fazem uma única exibição, em Lisboa, do material seleccionado, e vamos à vida...
Com um muito pequeno custo adicional,que provávelmente as autarquias poderiam suportar, estes e outros documentários do DocLisboa, e de outros acontecimentos que se realizam dentro e fora de Lisboa, não podiam circular por outras cidades ?
Claro que podiam !
Mas a mistura de egos, compadrios e outras "virtudes" nossas (como a apatia de muitos de nós) é que permitem que isto aconteça.

Desculpa o desabafo !

 
At 12:16 AM, Blogger E-clair said...

Agora entendo a "melancolia"... Obrigada pelos eloquentes desabafos!

 

Post a Comment

<< Home